Menu

Leitura

Blogs Amigos

Novas



DESEQUILÍBRIO
11Jul2007 16:10:00
Publicado por: Edi





Sentindo as unhas da solidão
Olha a janela e não vê nada de novo
A não ser alguns pingos de chuva
Que, despretenciosos,
Formam lágrimas hesitantes na vidraça.
A espera é uma mão gigante que te cala.

Sem assumir postura alguma,
Permanece vigiando como se tentasse descobrir
Alguma demonstração de sim no não.
Sua covardia lhe deu direito a esse medo
E agora o que você fita, sem relógio,
È o desconhecido, é o desassossego.

A saudade tingiu de cinza seus grandes olhos
E como se fosse uma lenta gestação
Você abriga a amargura delirante.
Seu sonho eterno continua oculto.
Seus gestos não traduzem nada.
A lucidez que era incontestável
Agora é uma amiga distante.
Sua boca inquieta nada diz.
Você ouve vozes.
Como se fosse um gigantesco coral,
Você ouve.
Olha a janela tentando ver no mundo
O essencial oculto em seu interior.
Comprometida com o impasse,
Sua maior ambição é cultivar seu lamento mudo,
Seus desenganos disfarçados.

A grave psicose não te adormece.
Dói mas não sofre
Porque você não é mais a mesma.
Está agora alheia aos resultados.
Seu sentimento já não é réu primário,
Já pecou sem remorso...

Você, emocionalmente vazia,
Reduz a aceleração da rua,
Das pessoas, das coisas.
Quer, da janela,
Espalhar seu desequilíbrio pelo mundo.
O silêncio não é mais desprezo
E sim amor eterno.
Amor maior que o vazio,
Amor que regenera os maus.
Prova o beijo insosso
Da vidraça fria...

08_06_44_cartoon___plantas_aquario.jpg


Partilhar:

Artigos Relacionados
Auto Retrato
Eu não sei de nada...
O torpor que precede o suicídio


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.